Prevenção da Depressão Pós-Parto com recurso à e-mental health: Da compreensão ao desenvolvimento e avaliação da eficácia de um programa de intervenção psicológica online [em curso]
Preventing Postpartum Depression through e-mental health: Understanding its mechanisms and developing and evaluating the effectiveness of a web-based psychological intervention [ongoing]

Resumo  |  Abstract

A Depressão Pós-Parto [DPP] é um problema de saúde pública relevante, pela sua prevalência e pelas consequências adversas que acarreta para toda a família (Kingston, Tough, & Whitfield, 2012). Apesar da extensa investigação sobre este tópico, existem algumas lacunas que pretendemos colmatar neste projeto de investigação.

 

Em primeiro lugar, apesar do extenso conhecimento sobre fatores de risco para DPP, nomeadamente do papel da relação conjugal enquanto fator de risco e de manutenção da DPP (Pilkington, Milne, Cairns, Lewis, & Whelan, 2015), estão por conhecer, de forma mais pormenorizada, os mecanismos diádicos (e.g., coping diádico, comunicação) envolvidos na ocorrência e manutenção da sintomatologia depressiva no período pós-parto. Além disso, está também por conhecer o papel de outras variáveis (e.g., variáveis cognitivas, como atitudes disfuncionais face à maternidade; recursos/competências psicológicas, como as competências de regulação emocional, autocompaixão ou flexibilidade psicológica) no desenvolvimento e manutenção desta condição clínica.

 

Em segundo lugar, existem também lacunas no que diz respeito à prevenção da DPP e à promoção de saúde mental no período pós-parto. Apesar de esta condição clínica se prestar à implementação de abordagens preventivas (por ter um período de incidência bem circunscrito temporalmente e fatores de risco claramente identificados), existem limitações: primeiro, no que respeita à identificação das mulheres em risco para desenvolver DPP na população portuguesa; segundo, no que respeita à disponibilização de programas de prevenção da DPP eficazes, que aumentem o acesso da população portuguesa a cuidados de saúde mental. Além disso, mesmo mulheres que não se encontram em risco de desenvolver DPP enfrentam diversos desafios e preocupações (e.g., prestação de cuidados ao bebé, mudanças nas relações sociais/conjugal, regresso ao trabalho) que as colocam numa posição mais vulnerável. A investigação tem demonstrado que saúde mental é mais do que a ausência de psicopatologia e que, apesar de relacionadas, constituem dimensões distintas. Nesse sentido, a promoção de saúde mental positiva é um complemento significativo que deve ser considerado no contexto do pós-parto. Neste contexto, o desenvolvimento de ferramentas e-mental health, nomeadamente intervenções psicológicas online, parece constituir-se como uma alternativa para aumentar o acesso desta população a intervenções de prevenção para a DPP e de promoção de saúde mental das mulheres no período pós-parto, que permitam desenvolver competências e recursos protetores face a adversidades futuras.

 

Em terceiro lugar, existem também lacunas na investigação quanto ao processo de procura de ajuda profissional por parte das mães com DPP, bem como à utilidade e eficácia de ferramentas e-mental health no tratamento da DPP, nomeadamente conjugando a componente online das ferramentas e-mental health com sessões de psicoterapia face-a-face (blended format).

 

Especificamente, são objetivos deste projeto de investigação: 1) conhecer os mecanismos (e.g., diádicos, cognitivos, de regulação emocional) envolvidos no desenvolvimento e manutenção da sintomatologia depressiva no período pós-parto, bem como na promoção de saúde mental positiva no pós-parto; 2) adaptar um índice de risco da DPP (Postpartum Depression Predictors Inventory – Revised; Beck, 2002) e uma medida de saúde mental positiva (Mental Health Continuum Short Form) para a população portuguesa, e examinar as suas propriedades psicométricas; 3) desenvolver um programa de intervenção psicológica online para prevenir a DPP (o Be a Mom) e promover a saúde mental das mulheres no período pós-parto e avaliar a sua eficácia, aceitabilidade, usabilidade e custo-eficácia em mulheres com risco e sem risco de desenvolver DPP; 4) examinar o processo de procura de ajuda profissional das mulheres para lidar com DPP, bem como o papel de variáveis individuais (e.g., estigma) e interpessoais (e.g., apoio do companheiro) nesse processo; e 5) desenvolver e avaliar a eficácia de uma intervenção blended (bBe a Mom) para o tratamento da DPP, bem como a sua aceitabilidade, usabilidade e custo-eficácia. 


Postpartum Depression [PPD] is a significant public health problem, given its prevalence and the adverse consequences that entail the whole family (Kingston, Tough, & Whitfield, 2012). Despite extensive research on this topic, there are some gaps we intend to address in this research project.

 

Firstly, despite the extensive knowledge about the risk factors for PPD, in particular the recognition of the important role of marital relationship as a risk and maintenance factor for PPD symptoms (Pilkington, Milne, Cairns, Lewis, & Whelan, 2015), it remains to be understood the dyadic mechanisms (e.g., dyadic coping, communication) involved in the occurrence and maintenance of depression in the postpartum period. Moreover, it is also important to better understand the role of other variables (e.g., cognitive variables, such as dysfunctional attitudes towards motherhood; psychological resources/skills, such as self-compassion or psychological flexibility) in the development and maintenance of this clinical condition.

 

Secondly, there are also gaps in the prevention of PPD and in the promotion of postpartum mental health. Although this clinical condition is amenable to preventive efforts (due to its well-defined timeframe and clearly identified risk factors), there are some limitations: first, regarding the identification of women at risk for developing PPD; second, with regard to the provision of effective PPD prevention programs that increase the Portuguese population’s access to mental healthcare. In addition, even women who are not at risk of developing PPD face a number of challenges and concerns (e.g., baby care, changes in social/marital relationships, return to work) that put them in a more vulnerable position. Research has shown that mental health is more than the absence of psychopathology and that, although related, they constitute distinct dimensions. In this sense, the promotion of positive mental health is a significant component that should be considered in the postpartum period. In this context, the development of e-mental health tools, namely web-based psychological interventions, seem to be a feasible way to increase the women’s access to preventive approaches for PPD and mental health promotion that may enable women with skills and resources to face future adversities.

 

Thirdly, there are also research gaps concerning the process of seeking professional help for perinatal distress problems, as well as concerning the usefulness and effectiveness of e-mental health tools in the treatment of PPD, particularly by combining the web-based component with face-to-face sessions (blended format).

 

Specifically, this research project has the following main goals: 1) to examine the mechanisms (e.g., dyadic, cognitive, emotion regulation) involved in the development and maintenance of postpartum depressive symptoms, as well as in the promotion of positive mental health in the postpartum period; 2) to adapt a risk index for Postpartum Depression (Postpartum Depression Predictors Inventory – Revised; Beck, 2002) and a measure of positive mental health (Mental Health Continuum Short Form) for the Portuguese population, and to examine their psychometric properties; 3) to develop a web-based psychological intervention to prevent PPD and promote women’s mental health (Be a Mom) in the postpartum period, and to examine its effectiveness, acceptability, usability and cost-effectiveness in the Portuguese population; 4) to examine the process of seeking professional help to address PPD symptoms, as well as the role of individual (e.g., stigma) and interpersonal (e.g., peer support) variables in this process; and 5) to develop and evaluate the effectiveness of a blended intervention (bBe a Mom) for the treatment of PPD, as well as its acceptability, usability and cost effectiveness.

Data de início e conclusão  |  Date of initiation and conclusion


2014/...

Equipa  |  Team

Investigador Coordenador | Coordinator

Maria Cristina Canavarro

 

 

Investigador principal | Principal Investigator

Ana Fonseca

 

 

Outros investigadores | Other reserachers

Fabiana Monteiro

 

Mariana Branquinho

 

Stephanie Alves

 

Marco Pereira

 

Anabela Araújo Pedrosa

 

Ricardo Gorayeb
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Brasil

Aprovação  |  Approvals

Comissão de Ética dos CHUC – Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

Comissão de Ética da FPCE-UC – Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra

Financiamento  |  Funding


Projeto co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do programa Portugal-2020 (PT2020), no âmbito do Programa Operacional Regional do Centro (CENTRO-01-0145-FEDER-028699) e pela Fundação para a Ciência e Tecnologia I.P./MCTES através de fundos nacionais (PIDDAC).

 


Fundação para a Ciência e Tecnologia (BPD: SFRH/BPD/93996 [concluída]; Bolsas de doutoramento: SFRH/BD/102717/2014 [concluída]; SFRH/BD/115585/2016 [em curso]: SFRH/BD/145563/2019 [em curso]). /p>

 


Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC-FPCEUC)

Instituição  |  Institutions

Instituições de acolhimento / Host institutions


Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação - Universidade de Coimbra

 


CINEICC – FPCE-UC (Linha de investigação Relações, Desenvolvimento, & Saúde)

 

Instituições envolvidas / Other institutions


CHUC – Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

 


Unidade de Intervenção Psicológica da Maternidade Daniel de Matos

 

   

Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental - Universidade de Coimbra | Todos os direitos reservados